quinta-feira, Janeiro 11, 2007

Provérbios de Janeiro


O luar de Janeiro não tem parceiro; mas lá vem o de Agosto que lhe dá pelo rosto.

Trovão em Janeiro, nem bom prado nem bom palheiro.

Não há luar como o de Janeiro, nem amor como o primeiro.

Janeiro frio e molhado, enche a tulha e farta o gado.

A 20 de Janeiro tem uma hora por inteiro, quem lá chegar hora e meia há-de achar.

Os bons dias em Janeiro, vem-se a pagar em Fevereiro.

A 20 de Janeiro sobe ao outeiro, se vir verdejar põe-te a chorar; se vir negrejar põe-te a cantar.

A água de Janeiro traz azeite ao olival, vinho ao lagar e palha ao palheiro.

Ao luar de Janeiro, se conta dinheiro.

A água de Janeiro, vale dinheiro.

Ao minguante de Janeiro, corta o madeiro

Escritos por alunos da Professora Rute, 2.º ano:

Joana Catarina
João Samuel
João Rafael
Daniela Ramos
Ana Filipa
Carlos Miguel